Monday, November 27, 2006

F e G

Falava fácil, com afeto,
voz afável, aflanelada
Uma face fina
falava flores sem fim

Mas foi se esfalfando
engrenada pelas garras
grifos, gruas
que por aí grassavam

Engradada,
só de grunhidos
grasnou seu fim

4 comments:

Poeta Matemático said...

kkkkkkkkkkkkkkkk

Muito bom, muito bom...

moacircaetano said...

belíssima aliteração!
que bons ventos, esses que te levaram até meu blog!
Abraço!

Ellemos said...

Imagino o alfabeto em tuas mãos!

Obrigada pela visita!

Beijos!

Sandra Regina de Souza said...

olha só.. esse eu "ouvi primeiro!!.rsrs... passei pra deixar um beijo, moço... saudade de brincar de fazer poesia às segundas... bjo