Monday, February 18, 2008

Antes do fim, se fim houver

[ao som de ‘Quero que vá tudo pro inferno’, de Roberto e Erasmo Carlos*]
::

Segundo um programa do History Channel, o mundo vai acabar no dia 21 de dezembro de 2012. O documentário mostra as previsões de alguns oráculos antigos e de mecanismos atuais da internet que, por vias diversas, coincidiriam na data do apocalipse. Se outros prazos já foram antes anunciados e naufragaram, esse ganha o charme dos números mais ou menos em anagrama, do solstício em que se alinham planeta, sol e campos de energia desconhecidos. Além do empurrão dos desvarios da humanidade.

O programa ressalta que esse tipo de vaticínio funciona para conclamar as pessoas a valorizarem o tempo que lhes resta e a viver de forma significativa. Como os saberes que tratam da morte no plano individual. Mas se poderia pensar também, e em linha contrária ao dos manuais de auto-ajuda, que estipular uma data é meio caminho andado para esquecê-la. Quem vai se lembrar se não for continuamente atualizado do escorrer da areia?

Qualquer que seja a atitude diante dela, é uma informação que terá seu teste de verdade apenas no dia seguinte ao presumido fim. Ou: na observação do que já não poderia mais ser observado. Quer dizer, a consciência só poderia se realizar enquanto possibilidade, chegar à borda do acontecimento e não se completar, porque afinal o próprio conhecedor desapareceria com o fim do seu mundo.

Só existe fim quando existe alguém capaz de o perceber.

::
*: é uma pena que Roberto renegue essa canção, uma das mais inspiradas de sua carreira, e que ganhou uma vibrante interpretação pela banda portuguesa GNR (Grupo Novo Rock)

::

1 comment:

motley said...

Muito interessante esse texto sobre o fim do mundo. O fim do mundo não é nenhum fim do mundo, né ? huarahuarahuara
Acho que o mundo já acabou, isso aqui é o eco do mundo - inventei isso agora huarahuara
Abração, amigo, tem que ir lá na Biblioteca fazer mais oficinas.