Tuesday, April 26, 2011

Outro mundo

Algumas vezes vem essa sensação de estranheza com tudo em volta. A impressão de que o tempo passou, os lugares passaram e qualquer coisa ficou perdida não se sabe onde. Poderia ser apenas um desajuste temporário, não fosse o incômodo, o peso de um transcorrer sem fundo.

Chega a hora em que não se encontra mais lá nada do que poderia ajudar a reconhecer a figura. O exterior desconectado de um interior cada vez mais encolhido e sem pares.

Diferente de uma viagem insólita. Está mais para uma deserção.

::

foto: ruínas da Real Fábrica de Ferro São João de Ipanema, na cidade de Iperó, estado de São Paulo, por R.I.

1 comment:

Pode me chamar assim... said...

Estava falando sobre algo semelhante ontem. Falávamos do não-pertencimento nosso (eu e mira) a algumas intituições sociais (bairro, família, atual juventude etc) e como lidamos com essa inadequação. São os amigos que pensam como a gente (ou próximo), que nos salvam do ostracismo, da loucura, da depressão, da agressão etc. A Mira vai fazer o TCC dela sobre Clarisse e Heidegger. Acredito que vcs teriam muito a conversar... E eu tb estou por aqui!