Friday, November 20, 2009

Para onde

Quantas vezes terá olhado para o céu, dia ou noite, não em busca de algo extraordinário mas apenas de uma densidade diferente. Algo que o isolasse da rua e da vida como era gasta.

Por segundos restou entre os poucos espaços ainda livres, contemplando o que permanecia. Até quando desceu. E não saberia nem mais para onde.

::

foto: detalhe do jardim e da Casa das Rosas, na avenida Paulista, SP, por R.I.

1 comment:

fabiano Silmes said...

Às vezes me sinto assim...
como que procurando um sentido além dos meus olhos...e quando me dou conta já sei se perdi o rumo ou o encontrei...só sei que parece que já não sou mas o mesmo.

Um grande abraço.