Saturday, December 15, 2007

Do que ficou


‘Nada mais vai me ferir
É que eu já me acostumei
Com a estrada errada que eu segui
E com a minha própria lei
Tenho o que ficou e tenho sorte até demais
Como sei que tens também’
- Renato Russo, in ‘Andrea Doria’

E, quem sabe, pela última vez ouvi aquela canção na cena da peça-show em cartaz na cidade. Foi como recuperar pedaços de uma cerâmica quebrada, com um valor apenas pessoal. No desenho partido a sombra do presente dificulta a visão mais do que lhe dá sustento.

A estrada talvez tenha se perdido.

::

1 comment:

Pode me chamar assim... said...

Essas árvores se enamoravam desde que eram mudas. Tiveram que esperar pacientemente o tempo fazer com que se transformassem em árvores frondosas para então poderem se tocar. Essa é a história de amor das árvores fotografadas. kkkkk como eu sou demasiado romântico... rs